UMA OUTRA ÓTICA SOBRE O CONSUMISMO.

 


UMA OUTRA ÓTICA SOBRE O CONSUMISMO.


Foto de Liza Summer no Pexels


Você já parou para pensar na quantidade de lixo gerado em função do consumismo?

Se isto não ajudou à convence-lo, está na hora de encarar o consumismo sobre uma outra ótica.

 



Uma pesquisa realizada pela Northwestern University, nos Estados Unidos, no ano de 2012 apontou que as pessoas que dão alto valor para riqueza, status e bens materiais são mais depressivas, ansiosas e menos sociáveis do que as pessoas que não se importam tanto com essas questões,  o que nos leva a concluir que o consumismo não é um problema que afeta somente  a qualidade de vida das pessoas e o meio ambiente devido a maior geração de lixo, mas também prejudica o aspecto  emocional e psicológico das pessoas, as quais sob forte pressão de marketing, acreditam que só serão felizes se conseguirem comprar um determinado produto.

Para crianças e adolescentes, o risco dessa falsa verdade é ainda maior, pois caso não consigam obter tais produtos ou serviços, eles podem ficar deprimidos, buscando substitutos para a insatisfação, distanciando-se do contato afetivo familiar e deixando-se absorver pelas promessas de felicidade instantânea veiculadas nas mídias.


    

Foto de cottonbro no Pexels



Outro aspecto que pode trazer consequências negativas para a criança é a permissividade dos pais quando se trata de consumir. A criança é incitada a consumir e suplica pelos produtos, colocando os pais ou responsáveis contra parede, estes por sua vez, para livrarem-se de choramingos, ou temendo ser considerados insensíveis, acabam cedendo.

Ao contrário do que a sociedade consumista tenta impor aos pais, permitir tudo à criança distorce sua noção de realidade, orientação e proteção, desta forma ela não aprende a suportar frustrações, controlar impulsos e evitar rejeições do meio social.

Você já observou que as propagandas voltadas para as crianças, na maioria das vezes apresentam padrões únicos de beleza, que geralmente as bonecas e as crianças em destaque não representam a diversidade étnico-racial brasileira, se concentrando no modelo ocidental europeu? Isto também gera na criança um sentimento de insatisfação com suas próprias características físicas, fazendo-a buscar incessantemente por este padrão ditado nos anúncios.

Foto de Ketut Subiyanto no Pexels


Segundo pesquisa IBOPE/2012, as crianças brasileiras estão entre as que mais assistem à televisão no mundo (em média mais de 5h /dia), o que, além do consumo de energia, do aumento do sedentarismo, essa exposição excessiva contribui para o consumismo, já que a TV é um dos principais veículos de campanhas comerciais infantis, os quais em sua maioria divulgam brinquedos como que nada contribuem para estimular a criatividade da criança, tais como  trens elétricos, bonecas que falam, robôs que andam, brinquedos que brincam sozinhos!


        E sem falar no estimulo ao consumo excessivo de alimentos mega processados, com altos teores de sódio, açúcar, gorduras e bebidas de baixo valor nutricional, uma das principais causas da epidemia de obesidade infantil. 

Hoje, 35% da população infantil do mundo têm problemas de obesidade, sem dúvidas que a publicidade, que trabalha o tempo todo as mais mirabolantes ideias para manter a criança cativa aos apelos consumistas, é uma das maiores responsáveis. O apelo publicitário é tanto que 50% das publicidades dirigidas às crianças são de alimentos, dos quais, mais de 80% são produtos ricos em açúcares, sal ou gorduras.
       

Portanto caros pais e responsáveis, fiquem atentos a alimentação de suas crianças:
_ Evite produtos ultra processados com altos teores de sódio, açúcar e gorduras.
_ Cozinhe alimentos saudáveis com seus filhos.
_ Reflita com seu filhos sobre os comerciais de alimentos não-saudáveis
_ Dê o exemplo, é importante que seu filho veja seus hábitos alimentares saudáveis para poder repeti-los.
 

Por: Viviane M.Becker. Bióloga

 



Postar um comentário

0 Comentários